quinta-feira, 20 de outubro de 2011

As mais famosas marchas nupciais: música sacra e música clássica para casamentos com vídeos - Músicas para cerimônia de casamento realizado dentro de igreja

Escolher as músicas para uma cerimônia de casamento é um passo muito importante para todas as noivas, e muitas vezes também para os noivos. 

Como tudo em um casamento, a música também é um fator importante para dar o tom da celebração, o "clima do casamento".


Seguem aqui as marchas nupciais e músicas mais famosas no mundo para casamentos. Vale à pena escutar uma por uma para poder escolher com precisão a que mais lhe parecer a correta. 

No geral a resposta virá do seu coração. Sei que parece piegas dizer isto, mas é assim mesmo.

Claro que há noivas e noivos que vão preferir músicas pop e mais modernas para a cerimônia de casamento. Mas nem sempre será permitido na igreja escolhida. 

É necessário conversar com o padre, pastor ou reverendo sobre o assunto (caso insista em música pop). E não há garantias de que seja aceito o pedido. 

Portanto, tente entender e respeitar as questões e regras da sua igreja e escolha músicas desta seleção, que fazem sucesso em casamentos no mundo inteiro. 

E sinceramente, um casamento realizado dentro do recinto de uma igreja fica muito mais bonito com música sacra ou clássica (erudita).

É preciso escolher as músicas para:
1- entrada dos padrinhos,
2- entrada do noivo,
3- entrada das daminhas, pajens ou damas de honra,
4- entrada da noiva,
5- a hora das alianças,
6- hora dos cumprimentos,
7- saída da igreja.

Quem tiver uma missa de casamento terá que escolher mais músicas, se lhe for permitido pelo padre.


Então vamos lá!

MARCHA NUPCIAL - DE MENDELSSOHN

A primeira escolhida talvez seja a mais famosa, e a mais tocada, de todas as marchas nupciais de todos os tempos. 

É a Marcha Nupcial da Suíte Sonho de uma Noite de Verão de Mendelssohn e inspirada na peça teatral homônima de Shakespeare. 

Minha mãe entrou na igreja com ela e eu também no meu próprio casamento.

Brincando um pouquinho: esta marcha nupcial está no "hit parade" desde 1858 -  :D 

Embora a suíte tenha sido escrita em 1842, a marcha nupcial só foi usada pela primeira vez para a entrada de uma noiva em 1847 no casamento de Dorothy Carew e Tom Daniel na St. Peter's Church em Tiverton na Inglaterra. 

Mas quem fez esta marcha ficar popular foi a Princesa Victoria que casou-se com o Príncipe Frederick William da Prússia em 1858. A noiva era filha da Rainha Victoria. 




MARCHA NUPCIAL - DE WAGNER

O Coro Nupcial, Treulich geführt, faz parte da ópera Lohengrin do compositor alemão Richard Wagner. Foi escrita em 1850. 

É uma marcha tocada para a entrada da noiva em muitos casamentos formais em todo o mundo ocidental. 

Em países de língua inglesa é geralmente conhecido como Here Comes the Bride ou Wedding March.




AVE MARIA - DE SCHUBERT

Esta Ave maria foi escrita em 1825 pelo compositor Franz Schubert. Tornou-se uma das obras mais conhecidas de Schubert.





AVE MARIA - DE BACH / GOUNOD

A peça é composta por uma melodia do compositor romântico francês Charles Gounod, especialmente concebida para ser sobreposta sobre o Preludio No. 1 in C major, BWV 846, do livro I de Johann Sebastian Bach, O Cravo Bem Temperado, que foi escrito cerca de 137 anos antes. 

"Embora publicado em versões instrumentais e equipado com vários textos durante a vida de Gounod, a afirmação de que ele nunca escreveu parece ser literalmente verdade." (Wikipedia)

Concordo, ao meu ver o criador é Bach. Quem faz primeiro é o criador da obra.

Video/slideshow com a fantástica interpretação de Maria Callas. 



E nesta versão com uma soprano de apenas 14 anos de idade, Elena House:





POMPA E CIRCUNSTÂNCIA - DE ELGAR

A marcha Pompa e Circunstância Marches, cujo título completo é Pomp and Circunstance Military Marchs, op. 39, são uma série de marchas compostas para orquestra por Sir Edward Elgar.

A mais conhecida do conjunto, que teve sua estréia, juntamente com a segunda marcha em Liverpool no dia 19 de outubro de 1901, tendo o próprio Elgar conduzido a Liverpool Orchestral Society

Ambas as marchas foram executadas novamente dois dias depois, em um concerto na London Promenade Concert no Queen´s Hall London. A orquestra foi conduzida por Henry Wood. 

O público levantou-se ovacionando e aplaudindo. Foi a primeira e única vez na história dos concertos Promenade que uma peça orquestral teve um bis duplo.




A MISSA DA COROAÇÃO  - DE MOZART

"Foi no mês de março de 1779 que Mozart escreveu a Missa da Coroação. A origem e o sentido do título não são claros. A hipótese mais versátil é a de que ela faria alusão a uma imagem da virgem conservada num santuário nas rendondezas de Salzburg, a "Maria am Plaine". Sua coroação acontecera em 1751, e era comemorada com muita pompa a cada ano."  (Repertório Sinfônico)

A obra contém as seguintes partes: Kyrie eleison, Gloria in excelsis Deo, Credo in unum Deum, Sanctus, Benedictus e Agnus Dei.

As partes mais adequadas e bonitas para casamento são: Gloria, Sanctus e Benedictus.

GLORIA



SANCTUS



BENEDICTUS




GLORIA - DE VIVALDI

O Gloria RV589 é uma peça musical composta por Antonio Vivaldi. A obra foi criada quando ele trabalhou para o Pio Ospedale della Pietà, o Glória de Vivaldi exibe a riqueza e os contrastes do estilo barroco.

É uma das obras barrocas mais belas de todo o período.





ALELUIA - DE HANDEL

Aleluia é o 42° movimento do oratório Messias de Händel, e é reconhecível por qualquer pessoa, mesmo aquelas que não não sabem a que obra pertence ou que compositor a escreveu.  

O Messias (Messiah) (HWV 56, 1741) é um oratório de Georg Friedrich Händel com 51 movimentos divididos em 3 partes. É um belíssimo oratório.




WATER MUSIC - DE HÄNDEL

A Water Music, música aquática em português, é uma coleção de movimentos orquestrais, muitas vezes publicados como três suítes, que foi composta por George Frideric Handel (na grafia inglesa e não na alemã). 

Ela foi apresentada pela primeira vez em 17 julho de 1717, após o rei George I que tinha solicitar um concerto no rio Tamisa. 




CANTATE DOMINO - DE HÄNDEL

Georg Friedrich Händel (Halle an der Saale, 23 de Fevereiro de 1685 — Londres, 14 de Abril de 1759) foi um célebre compositor da Alemanha, naturalizado cidadão britânico em 1726. 





ALLA HORNPIPE - DE HÄNDEL

Linda música!

Händel mostrou desde cedo um notável talento musical, e a despeito da oposição de seu pai, que o queria um advogado, conseguiu receber um treinamento qualificado na arte da música.





TRUMPET VOLUNTARY - DE PURCELL

Trumpet Voluntary é uma obra barroca. Fora do Brasil é muito usada na entrada da noiva ou no cortejo das damas de honra.






A ODE À ALEGRIA - DE BEETHOVEN

A Ode à Alegria ou ainda o Hino à Alegria, em alemão Ode an die Freude, é o nome do poema cantado no quarto movimento da 9.ª sinfonia de Beethoven, conhecida também como Hino Europeu ou Hino da União Europeia.

Beethoven compôs a sinfonia em 1823, inspirado no poema "Ode à Alegria", de Schiller, escrito em 1785. Neste poema Schiller expressa uma visão idealista da raça humana como irmandade. Uma visão que ambos partilhavam.

Escolhi um flash mob para acabar com a lenda de que música clássica - cujo nome correto é música erudita - é "chata" ou antiquada. 
                                     



JESUS ALEGRIA DOS HOMENS - DE BACH

Jesus alegria dos homens, Jesus Bleibet Meine Freude em alemão, é o coral final da 32ª cantata, "Herz und Mund und Tat und Leben", escrita por Johann Sebastian Bach em Leipzig, na Alemanha no ano de 1716. 

Embora seja a 32ª cantata composta por Bach, das que não foram perdidas, foi-lhe dado o nº BMV 147 no catálogo completo de suas obras.

Uma canta maravilhosa de glorificação à Jesus e conhecida em todo o mundo ocidental.
                                     



ÁRIA DA QUARTA CORDA - DE BACH

"A Ária na corda Sol (G) ou Ária da quarta corda é uma adaptação para violino e piano do segundo movimento da Suíte nº 3 para orquestra, de J. S. Bach. (...) A peça original faz parte da Suíte nº 3 para orquestra, em Ré Maior, de Johann Sebastian Bach, BWV 1068, escrita para o Príncipe Leopoldo, entre 1717 e 1723. 
Os títulos "Ária na corda Sol" e "Ária da 4ª Corda" não são originais. Vieram de uma adaptação para violino e piano do 2º movimento da suíte nº 3 para orquestra, em Ré Maior, de J. S. Bach, feita por August Wilhelmj (1845 - 1908). Transpondo a tonalidade da peça de Ré Maior para Dó Maior, Wilhelmj foi capaz de tocar a peça em apenas uma corda de seu violino, a 4ª corda, que é normalmente afinada em Sol (G)." (Wikipedia)






ARIOSO - DE BACH

Na música clássica (erudita), arioso é um estilo de solo vocal de ópera ou oratório que ocupa lugar intermediário entre o recitativo e a ária. 

Literalmente significa "como uma ária". O termo surgiu no século XVI, juntamente com os estilos supramencionados e a monódia. Muitas vezes é confundido com o recitativo acompanhado.





MINUETTO - DE LUIGI BOCCHERINI

Minueto ou minuet é uma dança em compasso de 3/4, de origem francesa, ou uma composição musical que integra suítes e sinfonias. 

De origem aristocrática, o minueto foi muito popular na corte de Luís XIV, difundiu-se pela Europa nos séculos XVII e XVIII. É uma dança caracterizada por ser alegre e dançante.





AS QUATRO ESTAÇÕES - DE VIVALDI

"Le quattro stagioni, conhecidos em português como As Quatro Estações, são quatro concertos para violino e orquestra do compositor italiano Antonio Vivaldi, compostos em 1723 e parte de uma série de doze publicados em Amsterdã em 1725, intitulada Il cimento dell'armonia e dell'inventione. Ao contrário da maioria dos concertos de Vivaldi, estes quatro têm um programa claro: vinham acompanhados por um soneto ilustrativo impresso na parte do primeiro violino, cada um sobre o tema da respectiva estação. Não se sabe a origem ou autoria desses poemas, mas especula-se que o próprio Vivaldi os tenha escrito.

As Quatro Estações é a obra mais conhecida do compositor, e está entre as peças mais populares da música barroca." (Wikipedia)

Os movimentos no vídeo:
Primavera 0:00
Verão 10:31
Outono 20:59
Inverno 32:48
                                          



CANON - DE PACHELBEL

Cânone em Ré Maior é uma obra de câmara do compositor alemão Johann Pachelbel. Nessa peça, agora famosa, três violinos tocam o cânone (cada parte entrando com a mesma música a dois compassos de intervalo), enquanto um baixo contínuo executa uma passagem de fundo curta e simples de oito notas repetida sucessivamente, no caso, cinquenta e quatro vezes. 

O tema é bem simples, começando com notas longas e lentas, tornando-se então mais rápido e mais ornamentado à medida que progride.





PAI NOSSO - DE ALBERT HAY MALOTTE

É uma oração cristã baseada no texto da Bíblia Sagrada em São Mateus, "cap. 6, vers. 9-13" e São Lucas, "cap.11, vers. 2-4". 

Essa letra foi musicada por Albert Hay Malotte em 1940 e virou um dos maiores clássicos do gospel de todos os tempos.





INTERMEZZO DA CAVALARIA RUSTICANA - DE PIETRO MASCAGNI

Cavalleria rusticana (em português Cavalheirismo rústico) é uma ópera em um único ato de Pietro Mascagni, estreada em 17 de maio de 1890 no Teatro Costanzi, em Roma. 

É dividida em duas partes, separadas por um intermezzo, mas se apresentam em cena contínua.





CONCERTO PARA CLARINETE - DE MOZART

O Concerto para Clarinete em A maior, K 622, de Wolfgang Amadeus Mozart, foi composto em Viena em 1791 para o clarinetista Anton Stadler, para clarinete e orquestra.

O concerto é também uma das últimas obras completas de Mozart, e seu último trabalho puramente instrumental (ele morreu em dezembro, após a conclusão). O concerto é notável pela sua interação delicada entre solista e orquestra, e também pela falta de cadenzas na parte do solista.





O AMANHECER - DE EDVUARD GRIEG

Sabe aquela música perfeita para deixar alguém feliz, com esperança e animado? É esta aqui! Uma das minhas músicas preferidas.

O Amanhecer faz parte da suite nº 1 da música de cena feita pelo compositor Edvard Grieg para a peça de teatro Peer Gynt. 

É a melodia de uma flauta, com o posterior acompanhamento da orquestra, representando o nascer do sol, sendo uma das partes mais conhecida da obra.





The last but not the least:

BRASIL


E que tal o melhor do Brasil até na música da cerimônia de casamento? 
Sim, o Brasil também tem música sacra e profana barroca, música clássica de ótima qualidade que infelizmente, não é divulgada no Brasil, mas sim na Europa.


BARROCO BRASILEIRO

MAGNIFICAT - DE MANOEL DIAS DE OLIVEIRA

Manuel Dias de Oliveira (?, 1734/5 - Vila de São José, atual Tiradentes, 1813) é um compositor brasileiro do período colonial.  
                           


GLORIA - DE MESQUITA LOBO

José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, atual Serro, 12 de Outubro de 1746 - Rio de Janeiro, Maio de 1805), foi um organista, regente e compositor brasileiro. É patrono da cadeira número 4 da Academia Brasileira de Música.






GLORIA - DE ANDRÉ DA SILVA GOMES 

André da Silva Gomes (Lisboa, 15 de dezembro de 1752 — São Paulo, 16 de junho de 1844) foi um compositor erudito luso-brasileiro, com características da escola do período barroco.
                                       



MÚSICA ERUDITA BRASILEIRA MODERNA

BACHIANAS N° 5 - DE VILLA LOBOS

Heitor Villa-Lobos (Rio de Janeiro, 5 de março de 1887 – Rio de Janeiro, 17 de novembro de 1959) foi um maestro e compositor brasileiro.

Destaca-se por ter sido o principal responsável pela descoberta de uma linguagem peculiarmente brasileira em música, sendo considerado o maior expoente da música do modernismo no Brasil, compondo obras que contém nuances das culturas regionais brasileiras, com os elementos das canções populares e indígenas. No Brasil, sua data de nascimento é celebrada como Dia Nacional da Música Clássica.
                                  



Nota: este post sofreu updates de vídeos desde 2012 até 2014


Vídeos: Youtube
Foto: reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são muito bem-vindos!
Deixem as suas opiniões aqui. São os seus comentários que incentivam a postagem constante.
MUITO OBRIGADA PELA VISITA E VOLTEM SEMPRE!